/
4 Comments


PARANOID PARK

Baseado no livro de Blake Nelson, o diretor Gus Van Sant volta ao universo juvenil de “Elefante” (2003), demonstrando e questionando os dramas e conflitos das novas gerações que, entre outros fatores herda uma problemática de origens históricas pautada na decadência das convenções sociais.

Paranoid Park conta a história de Alex, um garoto de 16 anos introspectivo ainda que nem sempre esteja de fato pensando em algo, Alex tem a fala tranqüila e um “contemplar” hermético que destoa totalmente da febre e da pressa inerente a juventude. Namora uma garota da qual não gosta ou que não lhe desperta grande interesse. Os estudos não lhe instigam e os pais recém separados lhe faltam. Contudo, Alex vive suspenso enquanto sua vida “mais ou menos” acontece. Neste cenário Paranoid Park é o refúgio e o encontro de Alex, com tudo que lhe faz sentido. E o que faz sentido em sua vida é estar entre os amigos, andar de skate em Paranoid Park ou apenas observar, conversar e conhecer pessoas com uma perspectiva de vida parecida com a sua.

A visita a Paranoid Park (o paraíso dos Skatistas) acontecerá com um convite em tom de desafio feito por um amigo de escola, pois segundo o amigo “nunca se está preparado para Paranoid Park”. Durante uma noite no parque, enquanto andavam sob os trens numa estação próxima, ocorre um acidente fatal que implicará na destruição da paz alcançada por Alex, o garoto terá que, a partir daquele acontecimento improvisar um amadurecimento precoce e imediato, forçado a tomar decisões que de um jeito ou de outro, repercutirão por toda a sua vida.
É nesse momento que Gus Van Sant torna explícito o seu denso olhar sobre a juventude num misto de absolvição e acusação pelos males sofridos e causados. Se em “Elefante” o diretor causou grande desconforto ao relembrar os acontecimentos de Columbine quando dois jovens fortemente armados provocaram uma verdadeira carnificina no colégio onde estudavam. Em Paranoid o tema principal que perpassa pelos ligeiros 90 minutos do filme é o sentimento de culpa contra o qual os personagens serão prensados.

Contudo, a náusea que esse estado provoca, o suspense e a tensão dos personagens não é a única dimensão do filme, que assinala para um temor maior do que a culpa, sendo o “não saber” lhe dar com tal sentimento alvo de maior preocupação, assim como a falta de parâmetros dos personagens para tomar decisões e seguir caminhos denuncia de forma silenciosa o drama de uma geração sem voz e sem ouvidos.

O elenco jovem e promissor ainda que sem grandes papeis, cumpre a missão de criar personagens realistas e rasteiros. Gus Van Sant direciona o filme num ritmo lento entre idas e vindas antes e depois do fatal acidente nos trilhos do trem, no entanto, tal movimentação dentro da história não dificulta em nada o ritmo da narrativa que se projeta lentamente dando maior densidade às cenas. Em outros momentos o denso cinema de Gus se projeta através de longas e belas tomadas de skatistas em ação exaltando cores e movimentos em câmera lenta que aproxima e evidencia o drama dos personagens.

Ygor MF

Ficha Técnica:
Título Original: Paranoid Park
Tempo de Duração: 90 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 2007
Direção: Gus Van Sant
Roteiro: Gus Van Sant, baseado em livro de Blake Nelson Fotografia: Kathy Li e Christopher Doyle
Elenco:
Gabe Nevins (Alex)
Daniel Liu (Detetive Richard Lu)
Taylor Momsen (Jennifer)
Jake Miller (Jared)
Lauren McKinney (Macy)
Winfield Jackson (Christian)
Joe Schweitzer (Paul)
Grace Carter (Mãe de Alex)
Scott Patrick Green (Scratch)
Jay Williamson (Pai de Alex)
Dillon Hines (Henry)
Emma Navins (Paisley)
Brad Peterson (Jolt)
Emily Galash (Rachel)
Oliver Garnier (Cal)
Esther Vaca (Elizabeth Goulet)
Susan Plotz (Srta. Adams)


You may also like

Postar um comentário