Não Alcalóide - Poesia

/
0 Comments
Ilustração de Leandro Bulkool

Não Alcalóide


Sem saber da existência do fantasma
de Gene Kelly, permaneço abaixo de gotas
que nem desconfiam de ritmo ao cair e explodir
na testa franzida.

O escuro, o silêncio, são todas formas,
são vidas esquecidas.
Uma mulher esperava na sala,
roubava-me a paciência,
mastigava consciências e fazia bolas azuis de chicletes.

Um abajur a olhava, a luz tinha gosto de hortelã.
Alguns quadros eram pintados,
e visões mudas eram ignoradas,
um grito necessitava ser gritado,
ganhava uma complexidade orgânica,
e tinha a altura como fundamento.

Noutro canto a alegria temia sua denúncia,
mas os tecidos mais que células,
evoluções menores que os órgãos esperavam,
esperavam as conquistas humanas,
o estigma das máquinas.

Mas a noite chegava, jamais faltava,
rios de culturas gastronômicas nos ligavam
ao oriente, gotas de Samurai despencavam do ar.
Cada susto aguardava por de trás da porta.


You may also like

Postar um comentário