/
1 Comments

Estômago


Um rapaz buscando o sucesso profissional como cozinheiro de um famoso restaurante, a tradição familiar contraposta a desconfiança das pessoas ao seu redor, e o maior de seus inimigos a total falta de aptidão para o cargo.  Este é o cenário em que Linguini está inserido, diante de um desafio maior do que os seus parcos conhecimentos culinários, até que surge Remy um rato que sonha tornar-se um grande chef. Embora Remy saiba tudo sobre temperos e ingredientes, ele continuará a ser um rato. Assim Linguini e Remy(homem e rato) se juntam para tornar possíveis a sobrevivência de um e o sonho do outro...  

Certamente essa não é a sinopse de “Estômago” primeiro longa do diretor Marcos Jorge, estrelado por João Miguel “Estômago” conta a história do retirante Raimundo Nonato, que chega a cidade grande na esperança de uma vida melhor.

Mais do que a luta de um povo para vencer, o filme mostra a necessidade e a capacidade desse povo em se adaptar as mais novas e difíceis situações. Em uma rápida e despretensiosa comparação de “Estômago” com Ratatouille (animação da Pixar), temos o rato Remy mestre que ensinará todos os truques culinários ao jovem Linguini e os ratos que dividem a primeira moradia de Raimundo na cidade grande. Mas o que de fato “une” esses filmes é a paixão pela culinária, a maneira quase didática com a qual ela é mostrada e sem dúvida a fome inevitável que surge em quem assiste aos longas, mais do que fome, vontade de comer...

Voltando a “Estomago”, Raimundo ou Alecrin como mais tarde ficará sendo conhecido, aparece frente a câmera contando sua rápida trajetória até aquele momento. Para em um boteco sujo e hostil para comer algo, tendo como forma de pagamento apenas o serviço de lavar a louça daquela espelunca. É ai que conhece Zulmiro, dono do boteco que enxergando a oportunidade começa a explorá-lo. Sem opções Raimundo aceita o “trabalho” se comprometendo com a faxina e se aventurando a fritar pastéis e coxinhas.

Passadas algumas semanas as mudanças são visíveis no bar de Zulmiro, nas palavras da prostituta Iria (Fabiula Nascimento); - Antes isso aqui só tinha bêbados e ratos, agora tem bêbados, ratos e coxinhas. Os salgados preparados por Raimundo têm sucesso com a clientela e fazem despertar nele um dom até então desconhecido. Sem demorar muito Giovanni, dono de um restaurante italiano da região oferece uma melhor proposta de trabalho para Raimundo, é aí que terá início a sua “odisséia” , em meio a comida italiana, queijo gorgonzola, alecrim, formigas fritas e outras especiarias, outros ingredientes que farão de sua vida uma história que merece ser contada.

Com mais uma grande atuação de João Miguel, direção coesa e ótimos diálogos, o longa lançado em 2007, possui e utiliza de forma bem equilibrada alguns dos principais elementos das grandes bilheterias nacionais, diálogos divertidos, personagens verossímeis de empatia imediata com o público e uma leve carga de questões sociais. “Estômago” encontra-se de forma confortável longe de definições classificatórias ou taxativas. Nem o filme e tão pouco o público sentirão a necessidade de saber, de definir aquilo que acabaram de assistir, bastando contentar-se com a sensação de ter visto um bom filme...

Ygor MF 
 Ficha Técnica:
·  título original: Estômago
·  gênero: Drama
·  duração: 112 minutos
·  ano de lançamento: 2007
·  direção: Marcos Jorge
·  roteiro: Lusa Silvestre, Marcos Jorge, Cláudia da Natividade e Fabrizio Donvito, baseado em argumento de Lusa Silvestre e Marcos Jorge


elenco:

  • João Miguel (Raimundo Nonato)
  • Fabiula Nascimento (Iria)
  • Babu Santana (Bujiú)
  • Carlo Briani (Giovanni)
  • Zeca Cenovicz (Zulmiro)
  • Jean-Pierre Noher (Duque)
  • Marco Zenni (Vagnão)
  • Marcel Szymanski (Valtão)
  • Paulo Miklos (Etecetera)
  • Helder Clayton Silva (Seqüestro)





You may also like

Postar um comentário