Entrevista com o Autor - Ivan Marconato

/
0 Comments

Bom dia Ivan é um prazer tê-la aqui no Moviemento em mais uma Entrevista com o Autor. Por favor, apresente-se aos nossos leitores. Quem é Ivan Marconato e nos diga como a literatura chegou na sua vida?

Olá Ygor , eu tenho 38 anos e posso dizer de que desde que me conheço por gente, eu me lembro de sempre saber ler. Eu fui um cara precoce, eu aprendi a ler sozinho, com 3 anos de idade, e tive muita facilidade em falar e escrever. Na escola, adorava as disciplinas de Redação e Língua Portuguesa, e fugia de tudo aquilo que remetia aos cálculos e á área de exatas. Eu sempre quis escrever um livro, e em menos de um ano escrevi dois. Um auto-biográfico e outro de poesias.

E como passou de leitor a escritor como se deu isso? Quais autores lhe inspiraram e ainda lhe são referências?

Eu sempre fui um “devorador de livros”, mas nunca tinha tido tempo para escrever. Eu me formei em jornalismo em 1998, mas só comecei a atuar com isso em 2012, e como as outras áreas em que eu trabalhava me tomavam muito tempo, eu não dedicava minhas horas livres para escrever. Depois que voltei ao jornalismo, em 2012, é que comecei a me dedicar mais à escrita. Os meus autores preferidos são Machado de Assis, um clássico da literatura brasileira. Gosto também dos jornalistas que escrevem livros, devido a minha formação jornalística. Mas sempre gostei de ler biografias, como as escritas por Ruy Castro ( escreveu a do Mané Garrincha, do Nelson Rodrigues e também da Carmem Miranda) Um dos meus autores favoritos, que por sinal também é jornalista.

Conte-nos um pouco sobre o seu processo criativo ou exercício da escrita, como acontece? Alguma particularidade?

Depende muito do meu estado de espírito. Costumo transpor meus sentimentos para as letras. Geralmente quando estou deprimido ou triste, costumo ter mais criatividade e inspiração poética. Já os textos jornalísticos são meio que uma obrigação. Escrever para mim é como andar de bicicleta, aprendeu-se uma vez, jamais se esquece. Costumo às vezes ter ideias ou insights de inspiração quando estou dirigindo, na fila do banco, ou no supermercado. Anoto as ideias no celular e depois quando chego em casa passo para o computador. Não há uma regra para isso.

Breve você vai lançar pela Editora Incomum o livro “Do Toque ao Toc” uma comovente narrativa de um personagem com problemas de Toc, fale-nos um pouco mais sobre o livro

O livro conta a minha estória de vida. Um personagem comum, com erros e acertos durante a vida. Os percalços e as vitórias que fazem parte da vida de uma pessoa comum. O relato de ter de conviver com uma síndrome como o Transtorno Obsessivo Compulsivo, que infelizmente não tem cura. Temos, ou melhor, tenho que viver e conviver com essa doença, e procurar minimizar os seus sintomas, com medicamentos e terapia. Será que eu consigo? Tenho de conseguir, pois tenho que viver, e a forma como se lida com o TOC é vivendo com ele .

Como chegou a essa narrativa, fez pesquisa sobre o tema? O que pode nos dizer sobre tratamento disponível para pessoas com esse problema?

Não cheguei a pesquisar nada sobre o tema, pois os relatos sobre o meu comportamento enquanto paciente. Entretanto, dois psicólogos ( um meu amigo há mais de 30 anos que conhece a doença , e o autor , me deu muitas informações sobre o TOC. Além dos prefácios escritos por dois profissionais da área.

E como foi a experiência de auto publicação, como enxerga o mercado editorial e as possíveis saídas para o autor independente?

Eu achei a experiência de publicar o livro como a realização de um sonho. E a editora Incomum é um grande espaço para publicar livros em pequenas quantidades e a baixo custo. Já estou escrevendo o segundo livro, de poesias e logo vem um romance por aí.

Trabalha em algum projeto novo? Pode nos adiantar algo?

O livro de poesias que já está pronto, e depois virá um outro romance

O O que está lendo no momento ou leu recentemente que gostaria de compartilhar com nossos leitores?

Atualmente estou lendo o livro ( também publicado de maneira independente) do Autor Antônio Vidal Filho, o Mistério do Sério Romão. Aventuras de um andarilho namorador pelo litoral do País. Engraçado e motivador.
 
Você é jornalista também, e faz uma cobertura de eventos esportivos também, como enxerga a realização da Copa do Mundo que se aproxima, estamos preparados para um evento desse porte?

Esportivamente eu creio que sim. O time de Felipão é bem armado e ele sabe como motivar um grupo. Além do fato de ter sido campeão com a seleção em 2002, isso já o qualifica, aliando-se à conquista da Copa das Confederações do Ano passado. O que me preocupa é com questão à reforma dos estádios, as exigências da FIFA, e principalmente à utilização de recursos públicos para a realização da Copa. Seremos filial da FIFA por um mês, mas o povo é que pagará essa conta. Eu acho que o mundial deveria ser realizado com as nossas condições, sem ter que ficar pedindo bênçãos e atendendo a tudo que a FIFA exige. 

Ok Ivan obrigado pela participação! Mande um recado para os novos autores ou para os leitores, enfim deixe aqui o seu recado: 

Leiam e escrevam muito. Pois é pela leitura é que se adquire o hábito de escrever. É lendo e escrevendo que se viaja, sem sair do lugar onde se encontra. Um abraço e até a próxima.


You may also like

Postar um comentário