Edgar Além Poeta - Ghost Whiter 3

/
0 Comments
Uma barata!!! Uma barata!!! Gritava Edgar com indignação.
-Terei de escrever um livro em que o personagem principal é uma barata, mais absurdo ainda que essa barata antes era um homem...

Não se conformava pois sabia que aquela ideia absurda depois de passada pelas suas mãos faria tremendo sucesso. Por outro lado menos mal que tal projeto era obra encomendada, os editores não haviam aprovado e tão pouco estavam dispostos a apostar naquilo. Mas era fato e doloroso, outro escritor que não ele estaria nas estantes das livrarias, na mão das pessoas no metrô e nos talkshows culturais.  E ninguém... ninguém saberia que Edgar Além Poeta era o real autor daqueles livros fantásticos que compunham as listas dos 20 mais vendidos.

Impossível eliminar o ego do trabalho, em meio a tudo isso era o que lhe aniquilava por dentro. Por mais que estivesse empregado, que seus textos fossem bons, comprados, lidos e realmente bons, contudo, o fato de seu nome não estar nas capas dos livros revistas, ou de sua página pessoal não estar “bombando” de likes, lhe tirava a paz. 
Talvez... bem, beeeeem da verdade não era o ego o status de escritor famoso, Pop Star que Edgar perseguia agoniado. O que lhe causava maior tormento era não participar das fagulhas de idéias que explodiam para iniciar aquelas histórias.

Se o seu texto era tão bom ao dar continuidade aqueles briefings, porque não deixá-lo produzir por completo um novo romance policial dentre os vários que ele já tinha rascunhado?
Ao final Edgar acabava se apaixonando por aqueles personagens que só no meio desse novo relacionamento lhe lembravam:
- Ei!!! Eu não sou teu!!!

E lá se iam como uma noiva que prestes a casar partia para as mãos de outro, numa dolorosa noite de núpcias.  Aquele novo job iniciava assim:

"Quando Gregor Samsa despertou, certa manhã, de um sonho agitado viu que se transformara, durante o sono, numa espécie monstruosa de inseto."


You may also like

Postar um comentário