Vestígios de leitor -Ahmad Shamlu

/
1 Comments


Vestígios de leitor

O leitor é um lagarto no deserto.
A sua passagem, a leitura, está condenada
a desaparecer na primeira varredela de uma tempestade de areia.
Fecha-se o livro, e logo se abate um horizonte castanho,
sufocante, denso, sobre o lido.
Mas há lagartos que persistem nos sinais.
Sublinham a rota, assinalam os marcos miliários da emoção,
iludidos de que, quando regressarem, tais indícios permanecerão
nos mesmíssimos pontos, crédulos de que eles próprios
serão os mesmos quando voltarem. Mas não voltam.
E, se voltam, são já outros. Não reconhecem os sinais.
Ou o lugar deles na paisagem.
Outros lagartos requisitam o livro na Biblioteca
e detectam a passagem de lagartos anteriores.
Aborrecem-se inicialmente com os sublinhados, os comentários.
Resignados, logo após, iniciam uma investigação:
Quais os efeitos do deserto nos meus antecessores?


Ahmad Shamlu


You may also like

Postar um comentário